segunda-feira, 13 de junho de 2016

poema-resposta

nos seis meses que passaram
ninguém nasceu
mas muitos morreram

a busca pelo (meu) lugar da poesia continua
encontro na cidade
uma outra cidade

é como ele disse
são paulo é o texto que eu escreveria

a voz que dita poesia mudou
a mão que masturba não escreve
ainda não li Navio Negreiro
agora o feijão é carioca

meu namorado não é cineasta
meu namorado não é meu namorado
meu namorado não

e
dos poemas que escrevi
talvez
eu
não
seja
(o)
escritor

***

o guilherme pediu que eu escrevesse um texto sobre o livro-poema que produzi na Ato Zero ano passado. a vida aconteceu, o texto não saiu. até que acordei, hoje, dia do evento em que ele seria apresentado, e escapuliu um poema. taí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário