segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

queluz dez e quarenta e cinco

(ou: a rodoviária cheira a verão)


a criança que mama olha nos meus olhos
o velho ao lado não consegue se sintonizar
   à estrada
o menino da frente dorme sem pôr os pés no chão

get lost, get lost, get lost

as nuvens daqui não estão no céu
elas são grandes massas
pairando
paralelas ao chão

consigo me ver com oito anos
arroz frango batata
o amarelado da comida é o mesmo do meu sorriso

acho que te vi também

a fantasia é tudo o que me resta


[escrito do rio a são paulo, de são paulo ao rio]

Nenhum comentário:

Postar um comentário